Brinquedos não estruturados desafiam a imaginação das crianças

Quando se chega na Associação dos Amigos da Criança (AMIC – Village) é comum encontrar os pequenos brincando, correndo, subindo em árvores e se divertindo com caixas, tecidos e outros materiais. Lá, os alunos carregam em suas mãos a imaginação, afinal a instituição acredita na utilização de brinquedos não estruturados, permitindo que um pedaço de madeira se transforme em uma casinha, um carrinho ou qualquer outro brinquedo.

Possibilitar o desenvolvimento da inteligência e dar oportunidade da criança explorar suas habilidades criativas é objetivo da AMIC – Village, entidade parceira da Fundação FEAC. Para as educadoras da instituição, quando brinca, a criança tem o poder de tomar decisões, expressar sentimentos, interagir consigo e com o colega e introduzir-se no mundo imaginário.

“Acreditamos que o brinquedo não estruturado desafia a imaginação e assim os pequenos aprendem a construir por meio da exploração dos materiais disponíveis”, explicou Amanda Verzaro, orientadora pedagógica.

Para a assessora técnica do Departamento de Educação da FEAC, Denilze Ricciardelli, durante os momentos de brincadeiras, ao se depararem com os materiais as crianças necessitam de encorajamento e tempo para pensar, explorar, criar e desenvolver habilidades que darão sentido à brincadeira.

“Enquanto as crianças estão engajadas na exploração dos materiais, o educador tem o papel de realizar intervenções que instiguem o pensamento infantil e favoreça a ampliação de possibilidades. Dessa forma, os alunos descobrem novas habilidades e as usam em suas criações e também na interação com outros amigos”, completou Denilze.

De acordo com a professora Silmara Regina dos Santos, o brinquedo que a criança enxerga permite estimular algumas funções cognitivas como a organização, o planejamento, a criatividade, a memória e a atenção. Além disso, também auxiliam na coordenação motora e socialização. “Também notamos que em muitas das brincadeiras, os pequenos usam o pensamento lógico e matemático, principalmente quando estão estruturando ou encaixando materiais”, exemplificou a educadora.

O brincar com os materiais não estruturados na AMIC Village vai na contramão de um modelo de educação que percebe o brincar como perda de tempo ou um instrumento para aquisição de conteúdos curriculares. “Esse modelo de educação também separa as crianças por faixas etárias, dificultando a interação e aprendizado que se dá quando crianças de idades diferentes interagem”, pontuou Denilze.

A AMIC defende que a integração entre diferentes faixas etárias só traz ganhos. “As crianças mais velhas acolhem os bebês de forma generosa, aprendendo que eles têm outro ritmo e outra forma de pensar. E os bebês aprendem com a linguagem dos maiores e suas formas de brincar”, garantiu a assessora.

Brinquedos não estruturados são materiais simples que permitem às crianças transformar objetos, oportunizando uma experiência nova e enriquecedora da brincadeira. Por não serem confeccionados com o intuito de serem brinquedos, os não estruturados são recursos flexíveis possíveis de serem encontrados no ambiente, e não possuem faixa etária específica ou prazo de validade.

Família na escola

A AMIC é uma instituição que está sempre de portas abertas. Os familiares participam de reuniões, palestras e sabem do dia a dia de seus filhos. “É interessante a proposta da AMIC. É diferente, mas acredito que proporciona mais liberdade para meu filho. Aqui eles brincam com qualquer coisa e vivem soltos, subindo em árvores, mexendo na terra. Eu gosto muito porque dá asas à imaginação”, concluiu a dona de casa Viviane Bonfim de Souza, mãe do pequeno Tiago, de 4 anos.

“Sempre que posso estou presente nas palestras que a AMIC oferece porque acabamos aprendendo coisas novas e ficamos informadas sobre o cuidado dispensado aos nossos filhos. A AMIC oferece coisas novas e meu filho adora. Logo ele irá crescer e terá que ir para outra escola, estudar o tempo todo. Então é bom que brinque e que aproveite essa liberdade e esse espaço”, completou a Lucimara Biajola, mãe de Eric, também de 4 anos.

Na AMIC Village, os brinquedos não estruturados são facilitadores do desenvolvimento saudável das crianças e a instituição incentiva a liberdade para descobertas. E desta forma, a brincadeira se torna o aprendizado.

Saiba mais sobre a AMIC: www.amic.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *